Em acordo com Europol, a área coberta pela criminalidade informática é aquela mais afetada pela crise do COVID-19. Isso inclui o abuso sexual em menores online: enquanto as crianças e também os criminais são fechados em casa e a passar mais tempo na internet, o fenómeno dos abusos sexuais de menores online aumentou profundamente.

“A crise COVID-19 levou a um aumento da distribuição online de material sexual pedófilo (CSAM), que já foi elevada antes da pandemia. O dano resultante de ser vítima deste crime é grave e cada vez que uma imagem ou vídeo é compartilhado, isso resulta em vitimização repetida. O impacto desta zona criminosa dificilmente pode ser sobrestimado e uma resposta eficaz é da maior importância. O papel de Europol é coordenar as pesquisas dos Estados membros em respeito as pessoas que abusem as crianças, incentivam e permitem tais abusos ou disponibilizam material para abusos através de plataformas online. Europol utiliza produtos de informação para informar os parceiros responsáveis pela aplicação da lei sobre as atividades e o comportamento dos suspeitos e para identificar potencialmente tanto os infratores como as vítimas. Europol trabalha com parceiros para organizar campanhas de prevenção e sensibilização e contribuirá com a sua experiência para os debates sobre a próxima estratégia da UE para uma luta mais eficaz contra o abuso sexual de crianças”.

(Catherine De Bolle, diretor executivo de Europol).

Um exemplo de caso atual de abusos de menores na Itália do norte comunicado pela Europol, explica de que forma a colaboração internacional pode conduzir a soluções válidas

A COLABORAÇÃO INTENACIONAL CONDUZ A DETENÇÃO DE UM CULPADO DE ABUSO DE MENORES NA ITÁLIS”

“No prazo de 10 dias após a descoberta de vídeos online, um indivíduo de 30 anos de idade foi preso pela Polícia Estatal Italiana na sequência de um esforço da polícia internacional para rastrear este homem que produziu material de abuso sexual infantil.

Os vídeos, que foram lançados e colocados à venda na web obscuro (dark web), mostraram o suspeito que abusava sexualmente de uma menina da pré-escola. A análise desses vídeos pela Polícia Estatal Italiana identificou a posição do abuso em uma região do norte da Itália. Europol apressou-se a dar prioridade a este caso e forneceu vários membros do pessoal. Informações valiosas foram fornecidas por parceiros de aplicação da lei em todo o mundo, incluindo Austrália, Dinamarca, França, Países Baixos e Canadá. Os especialistas em identificação de vítimas destes países trabalharam com Europol para ajudar a identificar a vítima e o infrator através da análise de imagens e vídeos para obter informações o mais rapidamente possível para os investigadores italianos.

Combinando isso com informações open source de Europol, a Polícia do Estado italiano identificou a casa do homem de trinta anos. Em colaboração com o escritório de campo da Polícia Postal e Comunicações do Estado (CNCPO), eles realizaram uma busca minuciosa na casa do suspeito. Evidências foram encontradas, incluindo elementos de vídeos de abuso, com milhares de imagens e vídeos de exploração sexual infantil. A vítima foi identificada e levada em salvo e o suspeito foi preso e aguarda julgamento”.